Páginas

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Jardim de Inverno

Por: Ingrid Moreira



Esse livro, foi uma daquelas descobertas mais empolgantes, sabe? Bati o olho na capa e foi amor a primeira vista.  Quando li a sinopse amei de cara – uma literatura com relatos de guerra – um dos meus estilos favoritos. O enredo é rodeado de momentos descritivos e um passado cheio de mistérios, faz com que muitos leitores o achem enfadonho logo no começo, mas aí vem a dica caro leitor: CONTINUA LENDO PORQUE TEM BABADO!

O livro conta a história de: Anya, Meredith e Nina.
Três mulheres com personalidades e vida completamente diferentes, que aos nossos olhos jamais poderíamos imaginar que seriam mãe e filhas. Mas que de uma forma peculiar, tecem a história cada uma ao seu próprio ponto de vista. 


Anya é uma mulher com personalidade fria, que nunca foi do tipo mãe carinhosa para com suas filhas. Com seu jeito calado e até considerado duro, ela sempre se manteve a margem de tudo e todos. 
Nina é uma mulher independente, que leva a vida a um fio da loucura. Com uma vida corrida, ela sempre acaba dedicando pouco tempo a família.
Meredith é uma mulher batalhadora, que faz de tudo para manter as coisas em seu devido lugar, tanto em casa como no trabalho. Embora as três tentem se evitar, um acontecimento crítico, com um pedido inusitado, irá transformar a visão que elas tinham uma da outra.

Uma história de superação, perdas e determinação, nos faz valorizar a família e a sorte que temos referente à vida que levamos. A autora te leva a tempos críticos e mostra de um modo detalhado e real, um mundo ao qual não presenciamos e muita das vezes negligenciamos.
 Kristian Hannah conseguiu transpassar todos os sentimentos e cenários de uma guerra. Quando pensamos sobre, só paramos para observar o campo de batalha com as lutas em trincheiras, bombas e combate entre soldados, mas a guerra é muito mais que isso! Temos a fome, o medo presente nos olhos das pessoas, a insegurança do que pode acontecer a qualquer momento e a luta pela sobrevivência. Conseguimos sentir o que uma pessoa teve que passar e sofrer nesses tempos difíceis – um dos motivos que me fez ler esses tipos de livros.

Você passa a enxergar além do seu "mundinho", e começa a se colocar no lugar do outro, e isso o torna um ser humano melhor na sociedade que vivemos hoje. Então não é só uma história, é uma lição sobre a vida, que te faz pensar sobre o passado, presente e o futuro. Em como uma pessoa pode te tirar de um abismo e te mostrar que sempre existe algo ou alguém por quem lutar e se manter de pé até o fim.  Ao final do livro, deu aquela vontade de chorar, e ao mesmo tempo, uma pontada de felicidade por saber que tudo tem seu lado bom.

3 comentários: