Páginas

sábado, 6 de agosto de 2016

O Rouxinol

Por: Ingrid Moreira



Sobre a capa minha palavra é: GAMEI *--*.  Esse toque com os pingos de chuva me fez ficar babando por um bom tempo ao olhar para ele.

Meu coração foi destruído com esse livro, só não derramei lágrimas, porque estragaria meu novo tesouro hahaha. O Rouxinol é uma obra de ficção histórica, que eu classifico como nada mais e nada menos que fantástica! O livro é repleto de cenas que muitos não teriam estomago para ler. Com pontos históricos, temos o cenário da Segunda Guerra Mundial, e com ela temos a presença do nazismo e da brutalidade de homens que só pensavam no seu EU. 

A história é contada em flashs entre o passado e presente, relatando a vida e as escolhas complicadas de duas irmãs com personalidades e ideais totalmente diferentes que as obrigaram a tomar suas devidas posições no decorrer da guerra. Kristin Hannah consegue nos mostrar com riquezas de detalhes, o drama, a dor, o risco por proteger alguém e luta por sobrevivência de pessoas que passaram por esse momento crítico e pesado durante a guerra, conseguindo me deixar arrepiada ao ler.

Vianne é uma mulher com ressentimentos e traumas, que encontra seu porto seguro e fuga do passado em seu marido e filha.  Leva a vida de modo tranquilo e simples em um pequeno vilarejo da França. Já Isabelle, uma jovem que não tem medo de nada e ninguém, ousada e com todo o fogo da juventude vive fugindo dos internatos que o pai a coloca para “se livrar” dela.

Com a chegada dos nazistas ambas tomam rumos diferentes, enquanto uma tem medo de se expor para proteger sua família a outra não aceita a ocupação e quer fazer algo pelo seu País.

Nesse desenvolvimento, tortuoso e repleto de momentos que te deixam com o coração na mão, temos a visão de um mundo que vive sob constante medo, em contraste com revoluções que vão surgindo entre pessoas que não aceitam o que lhe foi imposto e arrancado tão friamente.

Quando você lê esse tipo e obra, começa a dar mais valor ao que têm – por poder ter sempre uma refeição em nossa mesa, termos agasalho para o frio e alguém para se apoiar. Kristin nos ensina a lutar pelos nossos objetivos e manter nossos ideais, e que mesmo no fim aos olhos de uns não tenham valido a pena tal atitude, poderemos lembrar que demos tudo de nós e conseguimos fazer a diferença num ambiente sombrio e cheio de conflitos. E por mais que te vejam como um fraco, quando você precisa proteger alguém que te importa muito, você consegue ser forte e suportar todas as adversidades que aparecem, fazendo aquilo que nunca imaginara ser capaz.

O mais tocante foi como uma demonstração de amor fraterno pode ser tão essencial para uma família, e o que sua ausência representa na vida de uma pessoa. Então ame intensamente, sinta, toque, sorria, e nunca se esqueça de dizer o quanto seus familiares e amigos são importantes para você.

Hannah obrigada por me tornar uma pessoa melhor, que valoriza tudo, até as coisas mais simples que a vida pode nos oferecer. 

Um comentário: