Páginas

quarta-feira, 22 de março de 2017

A Rosa branca

Por: Camila Santos



No segundo livro da série A Cidade Solitária continuaremos a conhecer a história da cidade que leva o mesmo nome e que se divide em cinco partes: o Pântano (a parte mais pobre da cidade), a Fazenda, a Fumaça, o Banco, e a Jóia - a parte central da cidade e onde ocorre toda a história da série.

Quando dizemos que riqueza não é tudo (e é verdade!), temos como exemplo as mulheres nobres que moram na Jóia, porém não possuem a fertilidade, a possibilidade de dar luz a um filho, e para isso usam as substitutas, com sua fertilidade e seu dom chamado de presságio. E aqui que encontramos Violet Lasting.

Violet era uma menina que vivia no Pântano, porém por ser fértil foi levada a Jóia para servir como substituta para as mulheres da realeza, onde essas garotas eram humilhadas e serviam como bichinhos de estimação, sendo desprovidas até de sua própria dignidade, família e amigos.

Quando completa 16 anos, ela é comprada por uma Duquesa para que a sirva, e independente de todos os percalços, Violet se esforça para cumprir seu papel. Na Jóia, ela faz amizades preciosas e encontra Ash, por quem se apaixona, e descobre que ela poderá ter a  possibilidade de fugir daquele lugar.

E é nessa possibilidade que se inicia nosso segundo livro, quando Violet se vê encurralada e desesperada para sair de Jóia!

Junto com Ash e Raven, sua melhor amiga, ela continua sua corrida rumo a liberdade daquela vida de escravidão, e com a ajuda de personagens como Lucien e Garnet essa fuga acontece e eles seguem ao encontro da Rosa Branca, um lugar supostamente escondido na Fazenda, onde eles estariam finalmente seguros. Durante esse caminho eles passam por algumas (MUITAS) dificuldades e descobrem até a existência de uma rebelião que pode acabar com o reinado da Jóia.

Para quem não leu o primeiro livro, minha pergunta é: O que você está esperando para comprar, criatura??

Com uma história envolvente, cheia de intrigas, revoltas, críticas a diferença social, abuso de poder, somos lançados nessa trama cheia de riqueza de detalhes que nos faz ficar grudados do início ao fim das páginas deste livro.

O final desse segundo livro segue a “tradição”, ele acaba com uma baita bomba bem tipo fim de episódio de novela, pra nos fazer querer mais ainda ler o próximo, o que com certeza faremos né, gente? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário