sexta-feira, 17 de março de 2017

One man guy

Por: Débora Farias




“Só sei que gosto de estar aqui com você e não consigo me imaginar querendo mais ninguém. Isso basta para você?”

Pense na sua pilha de livros amorzinhos na estante. Pensou? Parabéns! Você acaba de ganhar mais um para a pilha!

Na obra de Michael Barakiva, conhecemos dois adolescentes que aparentemente não tem nada em comum, mas que bem no fundo tem muito mais do que aparentam, ambos tem sede por amar e serem amados de uma forma única. 

De um lado temos Alek, um adolescente de 14 anos, tímido que sofre com as pressões e proibições de sua família, que são extremamente exigentes e tradicionalistas quanto a sua descendência armênia. Seu ponto de ”equilíbrio” é sua única e melhor amiga Becky – todo mundo deveria ter uma Becky na vida! Ela é simplesmente maravilhosa! – com quem ele pode conversar, dar risadas e ser um adolescente comum, sem preocupações. Afinal, ele não vê em Becky as repreensões e exigências de sua família quanto (a esses ou a outros) “americanos”.

Do outro lado temos Ethan, um adolescente de 16 anos, assumidamente gay, estiloso, skatista, aparentemente um rebelde sem causa, livre de pressões, mas que possui uma mágoa antiga que o tempo ainda não conseguiu apagar.

Os caminhos desses dois se cruzam quando Alek se vê obrigado pelos pais a participar do curso de verão da escola para recuperar notas e ir para uma turma especial, já Ethan, por estar quase repetindo o ano letivo. Devido a um pequeno incidente, Alek é salvo de uma possível surra por Ethan, e acaba se sentindo em dívida, porém não possuía coragem para lhe agradecer. Após um drama na sala de aula, Alek finalmente agradece à sua maneira o que Ethan fez por ele. E é nesse momento que a vida desses dois começa a mudar.

Uma fuga pra Nova York, um show escondido, uma amizade surgindo e um amor aflorando.

No desenrolar é possível sentir a densidade do sentimento descrito em cada página do livro. Vivenciamos juntamente com Alek a descoberta de sua opção sexual, os seus temores, suas inseguranças e seu amor por Ethan. E com Ethan vemos barreiras sendo quebradas, novas chances de felicidade e a esperança em ser feliz.

Um dos pontos altos desse livro foi o momento em que Alek conversa com os pais, é uma hora muito delicada, porém o autor soube dosar de forma linda, onde ele consegue mostrar que mesmo uma família severa, não precisa necessariamente ser preconceituosa, e além disso, Michael nos mostra que mesmo que alguns aceitem, outros não o farão, mas que isso não impede você de ser feliz da forma que escolher.

  
Esse livro foi um grande e lindo presente! Posso dizer com firmeza que One Man Guy deve ser uma de suas leituras nesse ano de 2017. Ele vai te fazer sorrir, querer chorar e principalmente, ele vai te mostrar a pureza de se descobrir para o amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário