quarta-feira, 22 de março de 2017

Um amor para Lady Johanna

Por Ingrid Moreira



Eu já li muitos romances de época e histórico, mas todos do século XVIII ou XIX, mas esse se passa no século XIII – gente é 1200, eu fiquei tipo: O QUE PODE ROLAR NESSA ÉPOCA!? Posso te garantir que muitas coisas...

 “Ela estava muito chocada para ter pensamentos razoáveis.
- Devo rezar – ela sussurrou – Meu marido está morto. Devo rezar.
Fechou os olhos, juntou as mãos e finalmente começou sua prece. Era uma litania simples e direta, que vinha de seu coração.
- Graças a Deus. Graças a Deus. Graças a Deus.”

Uma jovem de 16 anos acabou de ficar viúva, e quando pensa que poderá ter seus momentos de privacidade, descobre que terá que se casar novamente, por ordem do Rei da Inglaterra, o melhor de tudo é que seu noivo é um guerreiro das Terras Altas. Agora, Lady Johanna terá que enfrentar os pesadelos do passado, os segredos da corte e descobrir o que realmente é amar e ser amada.

Quando Johanna chega nas Terras Altas se depara com dois clãs rivais, que há  tempos vivem em desarmonia.  E é este momento que Lady Johannna se depara como lorde e líder, Gabriel MacBain, um guerreiro possessivo, que não aceita o não como resposta, não tem a mínima noção de bons modos e é super orgulhoso. Mas é claro, que ele irá nos mostrar seus encantos e sua luta para unir esses dois clãs.

Você já conseguiu perceber o pepino que nossa personagem tem nas mãos? 

Ela terá que ajeitar a bagunça em seu novo lar e enfrentar as obscuridades de seu passado. E o melhor de tudo, é que quando Johanna acha que nada podia lhe surpreender, eis que a vida lhe dá outro tapa.

Claro que teremos aquele romance maravilhoso, que nos derrete, mas também encontramos temas como: violência contra mulher, perda da inocência, traumas, e também um segredo que deixa o Rei John nas mãos dessa jovem senhora.

Com uma escrita maravilhosa e que te prende da primeira à ultima página, Julie Garwood, irá nos apresentar uma história fascinante de uma época um tanto remota, com diversos personagens que nos encantam e nos mostram o brilho escondido através de cada página.

Adorei os momentos em que a autora soube criticar a forma como a mulher era vista naquela época. Elas não podiam escrever, eram rebaixadas a ponto de serem consideradas objetos para manutenção do lar e reprodução. Sério, para as mulheres que viveram e sobreviveram nessa época, posso dizer que eram verdadeiras guerreiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário