domingo, 2 de abril de 2017

A Sétima Cela

Por Ingrid Moreira


OLHO POR OLHO – Isso é justiça?


Passamos boa parte de nossas vidas criticando e reclamando de nosso sistema político e judiciário, mas e se a decisão de uma causa estivesse em suas mãos?

Talvez você pense, assim seria mais justo, pois não teria  corrupção e as pessoas culpadas não seriam soltas e inocentes presas...

Aqui neste livro, você encontrará um novo sistema de justiça, onde a sociedade é quem vota pela inocência ou culpa do acusado. Isso soaria até perfeito, não? Sim soaria, entretanto não soa, pois não estamos falando de uma voz – um voto- estamos falando de uma voz – rica- com o poder de diversos votos. 

Já ouviram falar da expressão: “Sem sangue, sem vitima”? Pois é assim que funciona o sistema  judiciário da cidade a que somos apresentados no livro A Setima Cela. A justiça de lá funciona assim: se você tiver dinheiro, pode fazer mais ligações, mandar um SMS, acessar a internet, votar e ter a decisão de uma vida em suas mãos. Porém, como vamos saber sem fatos, se uma pessoa é inocente ou acusada? E isso meus caros, é o burburinho que será levantado nessa obra maravilhosa escrita por Kerry Drewery.  

Sete Celas – Sete dias...

Martha Honeydew é a primeira adolescente e a mais jovem – 16 anos – a entrar no corredor da morte, com a acusação de matar  uma das celebridades mais famosas e amadas pelo povo – Jackson Paige –, ela terá seu futuro decido nas mãos dos telespectadores que acompanham o programa de TV Morte é Justiça!. Martha irá passar por sete celas e sofrer um bocado em cada uma delas (claro, que as pessoas de fora não sabem) sendo analisada (e muito criticada) todos os dias no programa de TV se deve morrer ou não, e na última cela é que ela terá seu final! 

Uma história surpreendente que nos mostra através de um “outro sistema”, como funciona a sociedade por trás das cortinas. Simplesmente amei como os temas de corrupção, justiça, dinheiro, influência, controle de informações na mídia, entre outros fatores, são trabalhados ao longo da história. Posso dizer que você fica do começo ao fim tentando descobrir o porquê Martha estava na cena do crime e porque ela se declarou culpada!


“Faróis surgem. Homens em uniformes escuros saem dos carros, falando e dando ordens. Eu não escuto nada.
Eu solto a arma, coloco as mãos na cabeça.
- Fui eu! – gritei – Eu matei Jackson Paige. - Não sei dizer o que eles responderam.
Os olhares que eles me lançam estão cheios de desprezo, as algemas no meu pulso são geladas como os seus corações.
Eles vivem na bolha das Avenidas e da Cidade, deixam o brilho os cegar e não se perguntam o que há fora dali.
Eu vou morrer em sete dias porque é necessário, mas, depois disso, as bolhas deles vão estourar e todo mundo saberá a verdade.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário