quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Clássicos De Quinta: Livro De Sonetos



“De repente do riso fez-se o pranto 
Silencioso e branco como a bruma 
E das bocas unidas fez-se a espuma 
E das mãos espalmadas fez-se o espanto. 
De repente da calma fez-se o vento 
Que dos olhos desfez a última chama 
E da paixão fez-se o pressentimento 
E do momento imóvel fez-se o drama.”

Dentre todos os sonetos de Vinicius o "Soneto da Fidelidade" é o mais conhecido, sendo considerado por muitos como o “pai” da Bossa Nova, teve seu soneto presente em álbuns de diversos artistas. Mas o motivo de estar falando sobre ele hoje, é pelo achado que tive recentemente, e como admirador de poesias sempre busco vídeos de poemas declamados e graças a isso descobri o “soneto de separação”, onde acabou me levando a este livro.

" De tudo, ao meu amor serei atento 
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto 
Que mesmo em face do maior encanto 
Dele se encante mais meu pensamento"
(Soneto da fidelidade)

Me surpreendi ao descobrir que  o primeiro soneto foi escrito na década de 30 e o livro publicado só em  1967. Em sua primeira edição do livro, o autor selecionou os poemas que iriam  deixar todo o público apaixonado por cada verso -  mostrando detalhes fascinantes sobre uma relação amorosa, ou um esfriamento dela, chegando até a separação. 

"Distante o meu amor, se me afigura 
O amor como um patético tormento 
Pensar nele é morrer de desventura 
Não pensar é matar meu pensamento...."
(soneto de carnaval)

Além da escrita ser indiscutivelmente agradável e intelectualmente frutífera, pude perceber que os textos são curtos, sendo uma boa opção para quem busca  frequência ou tem  dificuldades para iniciar uma leitura poética, do que os rebuscados, porém com situações do cotidiano e bem suaves para compreensão.

É um livro que chama atenção pelo profissionalismo de sua construção, com sonetos datados, incluindo a localidade onde foi escrito. São 3 décadas da vida de um poeta com suas aventuras, paixões, tristezas, viagens e desejos, e quanto mais o tempo passa a poesia de Vinicius de Moraes permanece viva e apaixonante a cada leitor.


"Passem-se dias, horas, meses, anos 
Amadureçam as ilusões da vida 
Prossiga ela sempre dividida 
Entre compensações e desenganos.......E eu te direi: amiga minha, esquece.... 
Que grande é este amor meu de criatura 
Que vê envelhecer e não envelhece. "
Rio de Janeiro, 1942.
(Soneto de aniversário)



Nenhum comentário:

Postar um comentário