domingo, 24 de setembro de 2017

Domingão Nerd: Death Note






Fala nerd, tranks? Bem, hoje vamos falar sobre um mangá/anime que deixou vários otakus apaixonados por todo mundo, então vamos lá!

Death Note é uma série de mangá escrita por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata. Os capítulos do mangá foram serializados na revista semanal japonesa Weekly Shōnen Jump de 2003 até 2006, com os capítulos compilados em um total de 12 volumes tankōbon e lançados pela editora Shueisha. No Brasil, a série de mangá foi licenciada e publicada em duas versões pela editora JBC, que também lançou as duas light novels. Em Portugal, o mangá foi licenciado e publicado pela editora Devir Mangá.

A história centra-se em Light Yagami, um estudante do ensino médio que descobre um caderno sobrenatural chamado "Death Note", no qual pode matar pessoas se os nomes forem escritos nele enquanto o portador visualizar mentalmente o rosto de alguém que quer assassinar. A partir daí Light tenta eliminar todos os criminosos e criar um mundo onde não exista o mal, mas seus planos são contrariados por L, um famoso detetive particular.

Muito mais que um anime com ambientes de seres com poderes mágicos, batalhas contra o bem e o mal e enredos que fogem da realidade, o anime Death Note trabalha com fórmulas que retratam assuntos filosóficos dentro do nosso cotidiano de modo psicológico. Fugindo dos gêneros clássicos, a série de mangá transformada em anime, trabalha com assuntos que possuem uma enorme distinção das categorias “perseverança, companheirismo e vitória”, abordando assuntos políticos, sociais, culturais, religiosos num eixo de guerras psicológicas com um enredo criativo, instigante, possuindo diálogos e desenvolvimento de forma muito inteligente.

Por isso, o mangá Death Note possuiu tanta repercussão e interesse, destacando-se dos diversos mangás já criados; com um gênero que consegue prender do começo ao fim a atenção até dos leigos, que não são próximos deste estilo.

Podemos destacar alguns componentes chave do mangá como o anti-heroismo do protagonista, as funções relevantes do antagonista, a secundidade posicionada na clássica linguagem do mangá e alguns conceitos de semiótica inseridos na série. São esses pontos que transformam Death Note em um dos melhores mangás de todos os tempos.

Curtiu? Então corre pra ler o Mangá e assista o anime (o filme não vai acrescentar em nada na sua vida, sério hahaha). A gente se vê na próxima, fuii!!



Nenhum comentário:

Postar um comentário