terça-feira, 26 de setembro de 2017

Quando Eu Era Invisível



O que acontece quando você é um prisioneiro, e sua cela é o seu próprio corpo?

Imaginem uma criança saudável de 12 anos, de repente perder todos os seus movimentos além da perca da fala? Imaginaram? Agora imaginem a família ter que lidar com uma doença inexplicável que torna seu filho uma espécie de “vegetal”? Por mais difícil que seja, essa é uma história real. Então sejam bem-vindos ao livro Quando eu era invisível, e venham conhecer Martin Pistorius. 

Durante um período de sua doença o cérebro de Martin, de fato não responde a estimulo algum. Entretanto, passado alguns anos, a consciência dele retorna e é neste momento que o jovem se vê de fato prisioneiro de seu próprio corpo. 

Pensem na dificuldade desse rapaz e da família nessa situação? Afinal, a olho nu ninguém podia ver que Martin havia recuperado sua consciência. E é nesse momento que as coisas complicam...

O jovem é encaminhado a uma clinica de tratamento para passar o dia, e a noite retornar para casa. E nesse momento que sentimos o quão guerreiro Martin de fato é. Na clínica ele sofre abusos, maus tratos e tudo em silêncio sem poder pedir nem ao menos por socorro.

O fio de esperança aparece no momento em que Martin é apresentado a sua nova fisioterapeuta, Virna, a única pessoa que começa a ver mais que apenas um “vegetal”, ela começa a ver que existe um homem consciente ali e que precisava de ajuda para se comunicar. E a partir desse ponto iniciamos uma guerra travada por uma fisioterapeuta e por seu paciente, contra uma doença cruel e os olhares duvidosos dos que estão a volta dele. 

 “Por favor, faz tudo o que puder, Martin- pede Virna.- É tão importante que você mostre a eles o que pode fazer, porque eu sei que você pode.
Olho para ela. Algumas lágrimas cintilam como prata no canto dos seus olhos. A sua fé em mim é tão forte que preciso retribuir.”

A Astral acertou em cheio com essa obra e é aquele tipo de livro que todos deveriam ler. Nesse livro eu vi um menino se transformar em homem da maneira mais difícil, onde você tem um choque de realidade ao ver a luta dele para vencer as barreiras, a superação, dedicação, descrença de alguns que às vezes aceitamos ao invés de lutarmos contra; e o mais importante, em como nós reclamamos tanto por nada, pois se uma pessoa que só movimentava os olhos conseguiu mostrar que nada é impossível, porque nós que temos mais oportunidades que ele não conseguiremos? 



Nenhum comentário:

Postar um comentário