quarta-feira, 25 de outubro de 2017

O Sétimo Dia



“Fato: eu o matei.
Fato: eu sou culpado. 
Fato: eu vou morrer.” 

Mas que final foi esse!!!!! 
Essa mulher conseguiu acabar comigo e me deixar curiosa para o que vai acontecer no terceiro livro hahahahah. Como não surtar com um reality show onde os atores principais são pessoas a serem condenadas? Mas antes disso, se você ainda não conhece essa trilogia dá uma olhadinha  na resenha do primeiro livro A sétima cela, para não pegar alguns spoilers aqui! 
O livro se passa logo após Martha conseguir escapar do corredor da morte e Isaac ser posto em seu lugar, ao se declarar culpado de assassinato do seu pai adotivo Jackson Paige. Agora Isaac está no corredor e terá que enfrentar todas as torturas em cada cela nesses sete dias antes de sua condenação ( ou por milagre ser inocentado... O que acho difícil), enquanto Martha e seus  amigos estão tentando mostrar toda a corrupção que há escondida, com base em documentos e filmagens que conseguiram, para provar quem é o verdadeiro vilão dessa história. Mas quem disse que seria fácil lutar contra esse sistema? E com a “ajuda” de uma mídia tendenciosa...

“Tudo é preto ou branco. Culpado ou inocente. Nada de tons de cinza, nada de motivos. Sim ou não, sem qualquer explicação. A lei declara que é olho por olho.”

Quando você tem mais inimigos que amigos, um sistema de governo manipulador que tenta te incriminar e desestabilizar seus amigos, uma sociedade inteira contra você, te julgando por algo que você não fez, além do amor da sua vida estar prestes a morrer... Tanta coisa para uma única pessoa aguentar!

“Como as pessoas podem sentir tanto ódio, e com tanta facilidade? Como as pessoas podem decidir o que sabem a meu respeito e me julgar somente de acordo com o que leem nos jornais e com o que a TV diz?”

Nesse segundo livro, conhecemos mais profundamente o “por trás das câmeras” e vemos toda a construção dos personagens, a corrupção cada vez mas emaranhada na sociedade, junto com os planos conspiratórios para derrubar os que tentam fazer uma revolução. Vemos uma sociedade dividida entre a vontade de voltar ao sistema antigo e uma maioria irritada alegando que o atual é o mais eficaz. 

Não tenho nem palavras para falar como eu adorei esse livro, sem contar com a capa... A representatividade da imagem em cada capa destaca tudo que está envolvendo essa história, a astral conseguiu me atrair.  

E mais uma coisa... Aquele final foi uma explosão na minha cabeça hahaha quando você acha que tudo o que podia acontecer já aconteceu, sua mente é virada de cabeça para baixo, Kerry Drewery consegue nos deixar de boca aberta com esse final!!

“A vida é como um castelo de cartas, às vezes, não é mesmo? Derrube uma por acidente e toda a estrutura desmorona sobre você. Neste momento, o que resta dela está se equilibrando sobre a minha cabeça, e balançando de um lado para o outro.”





Nenhum comentário:

Postar um comentário