quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Clássicos De Quinta: Persuasão





Já ouviram a expressão “Para inglês ver”? Posso afirmar que essa é uma das afirmações mais assertivas em relação ao clássico de hoje, Persuasão, escrito pela rainha mor do Romance de Costume, Jane Austen. E ele vai te mostrar que nem só de opiniões alheias vivem as pessoas, mas das decisões que nos arriscamos a tomar.

Em Persuasão somos apresentados à família Elliot, que devido à sua imprudência e desorganização em relação a gastos, se encontra em uma trágica crise financeira. A filha do meio, Anne Elliot, em meio ao caos que se encontram vê uma saída para uma possível chance de reerguer a família, alugar a propriedade de Kellynch Hall e se mudar para Bath, a fim de reduzirem as despesas. Porém, Anne não seguiu junto com o resto da família de primeira, com medo de mudar completamente de área tão bruscamente, e com isso resolve passar um tempo em Uppercross com sua irmã Mary. O que ela só não esperava era que o seu passado voltasse a dar as caras justamente nessa situação. Não expliquei nada né?

Anne é uma jovem considerada “solteirona”, aos vinte e sete anos ela vive o arrependimento de ter declinado a um pedido de casamento há oito anos. Quando mais nova, ela conheceu e se apaixonou pelo jovem Frederick Wentworth, porém por não ter posses e título sua família não aceitou a união, mas o ponto que definiu o rompimento do noivado foi à influência de sua amiga considerada como uma segunda mãe, a viúva Lady Russell.

"Ela o havia maltratado, abandonado e decepcionado. Pior ainda: ao fazê-lo havia demonstrado uma fraqueza de caráter que o temperamento decidido e confiante dele não podia suportar. Havia desistido dele para agradar aos outros. Havia cedido aos efeitos de uma persuasão excessiva. Havia sido fraca e acanhada."

Anos se passam e agora como capitão da marinha e com recursos suficientes para possuir certa influência na sociedade, Frederick Wentworth decide mostrar quem ele se tornou (e o que ela perdeu) ao reencontrar Anne, e o ressentimento que carrega faz com que ele comece uma paquera descompromissada com as irmãs Musgrove. Sim, as duas irmãs! 

Imaginem como Anne ficou, afinal já não é fácil ter que rever o único homem que amou, e para piorar ainda ter que presenciar todos os flertes que ele demostra à outra.

O título é o plano de fundo do livro, e Jane irá mostrar os dois lados da questão de influenciar e se deixar ser influenciado, e como por um lado pode ser considerado uma fraqueza ser persuadido, em outras pode ser uma prudência. O interessante desse enredo é que a mocinha não é tão jovem, pois de acordo com a sociedade ela já era considerada como uma solteirona sem perspectivas para o futuro.

E com isso iremos tratar dos problemas da época, como as convecções sociais, a elitização e a questão da inferioridade para os que não são de berço, e o que essas coisas podem afetar na vida das pessoas. Porém o ponto chave é o perdão. Através dos protagonistas vemos como mágoas e ressentimentos podem mudar sua vida e forma de pensar e como é difícil se desprender do passado amargoso e perdoar para seguir em frente.

Sem contar que na edição que possuo a editora nos apresenta dois finais! Sim é isso mesmo. Quando Jane terminou o livro ela não gostou muito do final, ai reescreveu e o segundo se tornou o definitivo. Claro que o definitivo é mais construído, mas o primeiro também nos dá um gostinho de como seria ver a cena final dos protagonistas de um outro modo. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário