segunda-feira, 2 de abril de 2018

A Garota Do Calendário - Abril





Aviso: Se você não leu as resenhas dos primeiros meses, clique aqui: A Garota do Calendário- Janeiro, A Garota do Calendário -Fevereiro e A Garota do Calendário - Março.

Abril chegou! E com ele, o quarto livro da série A Garota do Calendário e neste mês, Mia será enviada para o sonho de toda mulher fã de beisebol. Nossa garota vai para Boston para ser acompanhante de uma das grandes estrelas do beisebol da temporada, Mason Murphy.

Tudo mais comum, impossível, né? Afinal, ela comparecerá a todos os eventos do esporte que mais ama, vai comer besteira sem julgamentos e praticamente terá apenas que estar sempre bem e sorrido. Mole, né? Nem tanto. Mason é o típico cara que é arrogante até com o ar que respira e que acha que o mundo e as mulheres - do universo - caem aos seus pés e que por isso não precisam de respeito. Bem, se ele achava que a Mia ia ser obediente, errou feio.

"Se quiser continuar a ter mão, vai ter que mantê-la longe da minha bunda."

No começo, como é possível sacar nesse quote, Mia terá que pôr Mason na linha e isso vai dar um pouco de trabalho. E no decorrer dessa "transformação" ela conhecerá quem é o verdadeiro Mason, um cara que tem marcas profundas que mesmo fingindo que elas não o atingem, o acertam em cheio. O mais interessante é que Mia acaba vendo em Mason não apenas um cliente, mas um amigo muito, mais muito parecido com ela.

Nesse furacão ainda temos Rachel, a relações públicas – apaixonada - de Mason, uma garota bonita, jovem, que por muitas vezes é severa demais consigo a ponto de ser chata e até mesmo de não se deixar enxergar.

Nitidamente teremos uma missão cupido para Mia. E é aí que a parada ficou repetitiva. Vocês já ouviram falar da "Maldição do Segundo Livro"? Basicamente, é quando o segundo livro de alguma série tem sua trágica lombada em relação a todos os outros livros. No caso de A Garota do Calendário, presenciamos este fenômeno na "Maldição do Quarto Livro".

A história de ser cupido de alguém não me incomodaria se não tivéssemos lido algo semelhante em Março, mas, além disso, tivemos mais uma visita ilustre dos livros anteriores nesse livro. Uma visita que, mesmo quente, deixou a desejar no contexto.

Gostei de ter conhecido o verdadeiro Mason e gostei de ter visto Mia se identificar com alguém do sexo oposto tão profundamente, como um irmão e isso foi um ponto forte pra mim. Outro ponto alto da história foi a movimentação para um tema ainda tão atual que é a prevenção feminina em relação ao Câncer de Mama. Sério, isso eu realmente achei incrível. No mais, o livro de Abril me mostrou um pouco mais do mesmo. Sinceramente, eu espero que Maio me traga bons ventos e muitas surpresas.




Nenhum comentário:

Postar um comentário