segunda-feira, 28 de maio de 2018

A Última Música






“A vida é um piano. Teclas brancas representam à felicidade e as pretas a angústia. Com o passar do tempo você percebe que as teclas pretas também fazem música. ”

Nicholas Sparks e seu dom em me deixar apaixonada por cada palavra que ele põe no papel. Sejam bem-vindos à um dos meus livros favoritos desse cara, A última música.

Veronica, ou apenas Ronnie, é uma típica adolescente de 17 anos rebelde. Ela que sempre viveu em Nova York, se vê obrigada a ir passar o verão com seu irmão mais novo Jonah – fofura de vida- na casa de seu pai, Steve, na Carolina do Norte. Até aí tudo normal né? Nem tudo, Ronnie e o pai não se falam há anos, basicamente desde que ele se separou da mãe dela e foi embora sem dar muitas explicações a família, o que acarretou em um afastamento por parte de Ronnie.

Do outro lado temos Steve, um ex-pianista que deixou sua carreira e família após o divórcio com sua esposa. O que ele não esperava é que perderia o contato com uma das luzes da sua vida, sua filha Veronica. Ele e Ronnie sempre tiveram uma linguagem só deles, a da música. Ronnie nasceu com o dom idêntico e até aprimorado do pai. Ela assim como ele é pianista, mas após a separação e o isolamento por ela definido, Steve vê Ronnie abandonar a música. Sim! Ela abandona o que nasceu para fazer por mágoa. E é com esse objetivo de reviver o amor deles como família que Steve pede que seus filhos venham visita-lo, mesmo que isso também envolva um triste segredo.

E é nesse fogo cruzado cheio de mágoas e ressentimentos que Will aparece. Ok, mas quem é esse? Segura ai que eu explico!

Will Blakelee, ou só Will, é um dos carinhas mais populares da região, não apenas por sua beleza – que é uma senhora beleza- mas por sua família rica. O que ninguém sabe, é que por trás de tanta beleza e pose, existe um cara machucado, mas que mesmo assim incrível. O que ninguém esperava acontece e após um banho de refrigerante e um pedido sem graça de desculpa. A vida desses dois começa a se misturar. E sabe o que dizem né: Tudo começa no verão.

Nicholas Sparks é um cara que sempre consegue acabar com as minhas estruturas. Com seus capítulos intercalados entre os personagens é impossível não sentir todo o mix de emoções que só esses personagens podem trazer.

É lindo ver Ronnie amadurecer e se permitir amar e ser amada. É incrível ver como Steve é um pai que ama tanto seus filhos a ponto de abdicar de si. É lindo ver Jonah ser o carinha mais forte da casa que salva o dia. E é lindo ver Will, que mesmo com pouco tempo de convivência se permitir a se perdoar e a amar.

O que eu mais amo em A Última Música é que não vemos só um relacionamento entre um garoto da praia e uma menina de fora surgir, vemos ainda mais, vemos uma família antes quebrada se reestruturar. Vemos o perdão mutuo entre pai e filha. Vemos amor incondicional e o quanto um garotinho pode ser forte e corajoso em meio a tanta dor. A Última Música envolve tudo: perdão, amor, resiliência, coragem e música.



Nenhum comentário:

Postar um comentário