sexta-feira, 18 de maio de 2018

Despertar


Recebido em parceria com a Editora Companhia das Letras, sob o selo da Editora Paralela, “Despertar” é o primeiro volume da série Espiral do Desejo, de Nina Lane, e meu primeiro encontro com esta autora, best-seller do New York Times. As informações iniciais que recebi a respeito do livro é que seria um romance hot, que não é um dos meus gêneros de primeira escolha e favoritos, mas como preconceito literário passa longe daqui, entrei na leitura sem esperar muita coisa.... E no início, realmente me decepcionei.

A história é sobre um jovem casal, Olivia e Dean West, que vivem uma vida tranquila e bacana na cidade de Mirror Lake, onde ele é um renomado professor de história medieval na universidade. Olivia ainda está tentando se encontrar enquanto profissional, entre num emprego temporário e outro e trabalhos voluntários, mas tem um marido gentil que a apoia e um relacionamento estável, saudável e romântico. Quando o passado inesperado de Dean ressurge, o casal precisa enfrentar seus problemas e realmente decidir se vale a pena ainda ficar junto.

Na primeira parte do livro, mais ou menos, já tinham tido algumas cenas de sexo quase que em sequencia que me pareceram tão deslocadas, que eu me preparei para ler uma história que focaria mais nos detalhes picantes do que em construir uma narrativa em si. Eu já li o suficiente do gênero pra saber que existem aqueles que o sexo faz parte de uma história a ser contada e aqueles em que o sexo é a história. Para minha surpresa, “Despertar” me enganou e pertence ao primeiro grupo – nada contra quem curte os livros do segundo grupo, é só gosto pessoal meu – e traz uma narrativa madura sobre complicações no casamento envolvendo quebra de confiança, mentiras, segredos e traumas.

Este livro já tem o diferencial de começar quando a maioria dos livros hots termina, que é quando o casal já está formado, casado e feliz. Lemos em flashbacks como eles se apaixonaram e o que há no passado de Olivia para ela ser como ela é, o quanto Dean é um cara bom e paciente, sem deixar de ser sedutor e insinuante, mas esse não é o foco narrativo. O flashback serve para cimentar o motivo pelo qual a protagonista tem toda a razão do mundo em perder a confiança no marido, quando descobre algo de seu passado. Olivia se sente traída por achar que vivia uma relação onde ambos haviam se entregado e descobre que não foi lá bem assim. Dean tem esqueletos ocultos no armário, enquanto ela não havia deixado nenhum para ele ainda descobrir. Aí começa o distanciamento dos dois, os silêncios, as dores e quando a autora deixa de focar no sexo pelo sexo para focar na história que quer nos contar, o livro deslancha e as páginas começam se virar sozinhas até um final que me deixou querendo catar o segundo para ontem!

“E onde você quer chegar?
Em algum lugar onde eu me sinta em casa”


“Despertar” é muito bem-estruturado, bem-escrito e com uma linguagem clara. Não é nem um pouco raso ou bobo, mas traz problemas reais e sérios de um casamento que vinha muito bem e era um tipo de modelo para todos ao seu redor e não por algum tipo de perfeição abstrata, mas por serem duas pessoas que realmente eram apaixonadas uma pela outra e dedicadas a fazer a relação dar certo.  É justamente por isso que quando os problemas de confiança e as mentiras aparecem, as convicções de Olivia são tão testadas e abaladas. O passado da jovem não foi nada simples, a mãe dela é o exemplo claro de alguém que jamais deveria ter engravidado, e ela tem inúmeros problemas que Dean conhece desde o dia em que tem seu primeiro encontro.

Por outro lado, você consegue se solidarizar com Dean e suas escolhas, mesmo sabendo que foram erradas, porque o homem é COMPLETAMENTE apaixonado por essa mulher. O que não falta é angst nessa narrativa, meu povo, a gente fica mesmo com o coração na mão torcendo pra esses dois conseguirem se comunicar e resolver seus problemas. E se o livro começa na perspectiva de Olivia e já é envolvente, vocês não terão chance alguma quando a narração passa para Dean e mergulhamos nesse homem ponderado e inteligente, mas que contém um oceano de emoções dentro de si.

Para mim, foi essa desconcertante dose de realidade que fez desse romance adulto um diferencial entre os outros do mesmo gênero e o motivo de o recomendar a vocês, leitores. E quem não quiser passar nervoso e puder, leia o primeiro já com o segundo na mão!  



Nenhum comentário:

Postar um comentário