quarta-feira, 9 de maio de 2018

F*ck Love - Louco Amor





“Nós dois estávamos em busca de algo que fosse verdadeiro. Algumas vezes, a verdade de uma pessoa é o amor de outra. ”

Pensem em um livro que me deixou de cabelos em pé! Senhor da Glória tudo que me contaram sobre a Tarryn Fisher é super real, a mulher nos deixa doida! MULHER ABRAÇA AQUI!!

Deixando esse pequeno surto para trás, sejam bem-vindos à vida de Helena Conway, em F*ck Love – Louco Amor.

Helena é a típica pessoa organizada, inteligente e prática. Ela sempre foi o “que o mundo esperava dela”, a filha perfeita, profissional dedicada, a amiga leal e a namorada ideal, o único problema é que nesse percurso a Helena em si desapareceu. Preocupante e ao mesmo tempo muito comum não acham? Afinal, infelizmente essa é uma realidade de muitas pessoas.

Em paralelo a vida de Helena temos sua melhor amiga – vaca –, Della, que eu preciso dizer que é uma personagem fácil de odiar. Sério, a menina pede! A amizade delas se baseia no fato de Helena sempre cuidar dela desde a adolescência com o básico da subsistência: tipo comida galera! Della é a típica popular, gostosona e rica. Ela tem o mundo aos seus pés, só não tem maturidade para encara-lo sozinha.

Do outro lado nós temos Kit Isley, um cara gato, fofo e que fica uma graça de suspensórios – nada mais a declarar sobre isso. Mas como ninguém é perfeito Kit têm dois grandes defeitos: o de por muitas vezes colocar as decisões nas mãos das pessoas e o outro é o simples fato dele ser o namorado de Della – sim, peguei ranço.

A vida desses três muda radicalmente após um sonho, sim, vocês não estão lendo errado. Um sonho onde Helena tinha uma vida ideal plenamente e feliz ao lado do homem com quem sonhou, o senhor Kit Isley.

Mas Débora como assim? É exatamente assim! Após um sonho antes de um almoço a vida desses três, principalmente a de Helena, começa a mudar. Afinal, ela pôde “vivenciar” uma felicidade tão plena que agora ela deseja ter. Mas a que preço? E como ela vai fazer isso? Afinal, virar fura olho não é bem o perfil dela.

Preciso dizer que esse livro é muito denso e intenso. Tarryn te prende de um jeito tão bom que você não consegue soltar. O livro começa de um modo confuso, mas que fica bem claro no desenrolar das páginas.

Vou falar uma coisa senão eu morro: AMEI VER AS REFERENCIAS DE HARRY POTTER NO LIVRO *--*

Foi bonito e ao mesmo tempo difícil ver o amadurecimento e autoconhecimento de Helena, assumo que em alguns momentos, foi irritante – acreditem vocês vão me entender. Da mesma forma que foi fácil amar, e muito, o Kit e em alguns momentos ter raiva dele.

Mas sabem o que eu mais amei nesse livro? Não foi apenas o casal, foi a realidade que o casal mostra. Todos nós conhecemos uma Helena, um Kit e uma Della. São personagens reais, com fragilidades reais, que são regidos pelas opiniões alheias, pelas impressões alheias e por medos tão absurdamente reais e cotidianos, que por muitas vezes eu acho que pego metrô com eles.

Se permitir se conhecer é se arriscar na vida, é sair da zona de conforto e entrar na zona de confronto que é a realidade. F*ck Love, te mostra que não é só de conforto que a vida existe, ela precisa de caos, de confronto e de muitos mais muitos f*ck.  



Nenhum comentário:

Postar um comentário