domingo, 10 de junho de 2018

Domingão Nerd: Detroit: Become Human




Hey galera! Como vocês estão? Eu ando triste, por que? Por não ter um PlayStation 4 e a um tempo  estar vendo muitas streams e game plays sobre um grande lançamento da Sony Entertainment desse ano, o jogo “Detroit: Become Human” e ta sendo impossível não desejar jogar ele o quanto antes.

O Jogo acontece em um futuro não muito distante, o ano é 2038 e conhecemos os EUA onde a existência de androids é uma rotina, e mesmo assim ainda um tabu. Eles existem unicamente para servir os humanos, porém em algum momento as coisas começam a mudar.  

Ao jogar nós nos tornamos o Connor, um android que trabalha para a polícia e é o único que podemos controlar na versão demo do jogo. Também temos a Kara, uma android doméstica e o Markus que é um cuidador de um artista idoso. Todos eles são controlados pelo jogador de forma alternada conforme vamos avançando na história.

Apesar de serem parte da vida dos humanos, respeito é uma palavra que não existe entre essa relação. Os androids são constantemente separados, com lugares exclusivos para serem usados por eles em trens e outros estabelecimentos públicos. A frase “I have a dream” (Eu tenho um sonho) falada por Luther King é citada no jogo inclusive, trazendo a lembrança da segregação vivida pelos negros na época do apartheid.

Com tudo, uma revolução é iniciada pelos androids.

O jogo é enorme! Cada personagem vive e evolui de acordo com o seu contexto pessoal e em cada episódio as possibilidades são muitas, deixar de entrar por uma porta ou de abrir uma simples gaveta pode mudar muitas coisas e vemos isso no final dos episódios através do gráfico que nos mostra a evolução do episódio.

Como eu disse as possibilidades são inúmeras, fazendo com que possamos conquistar muitos finais diferentes pra o encerramento da história que te envolve bastante até os seus possíveis desfechos.

Bem galera, esse é o domingão de hoje e eu espero que vocês tenham gostado, e como eu tenham ficado com muita vontade de jogar, é claro. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário