sexta-feira, 1 de junho de 2018

Sol em Júpiter




Dentre tantas novas profissões que o mundo digital criou, nós conhecemos bem a profissão de blogueira. Em qualquer uma das vertentes não é uma carreira fácil de se seguir, apesar de toda a visão simplista que temos de fora. Por trás das câmeras e das telas dos computadores, as coisas tendem a ser muito diferentes e quando falamos de uma blogueira de moda e beleza, talvez seja até mais delicado. Ser conhecida e estar sempre feliz e bem arrumada em todos os lugares, ser o que as pessoas esperam de você e esconder seus momentos de frustração e desânimo, para que seus seguidores possam encher os olhos com a vida perfeita que eles imaginam que você tenha, não é uma coisa fácil de se fazer, e é nesse mundo que a Sol vive.


Sol Leão ou Juba é uma youtuber cacheada que mora em Florianópolis e, a princípio, tudo o que vemos é uma pessoa que vive de frente pra praia, trabalha pra caramba e tem uma vida regida por likes e views. Ela ama a praia, mas nunca a frequenta, adora dormir até mais tarde, mas sempre tem coisas demais para fazer e ama comer fast food, mas está sempre lutando com a balança para manter o corpo dos sonhos – afinal, as fotos mais curtidas e comentadas das suas redes sociais são as de biquíni. Apesar de tanta contradição, ela ama o que faz, ama seus seguidores e ama a atenção que têm.

E mesmo com todo o caos da vida que leva, Juba é bem sucedida, vive sozinha e consegue pagar todas as contas com o bom dinheiro que ganha dos cachês das campanhas que faz, e tem um noivo que também é youtuber, o André.

Em um dia conturbado na vida da Juba, onde tudo – absolutamente tudo – está dando errado, ela precisava chegar para mais um trabalho em uma loja de roupas no shopping. No meio do caminho de provações que ela parecia estar seguindo, acaba entrando sem querer no banheiro masculino e dando de cara com um carinha lindo, pagando assim um mico suficiente pra uma vida inteira! O que ela não esperava era que dias depois encontraria o rapaz do banheiro, em uma situação talvez mais constrangedora ainda do que a anterior, no ponto de vista dela.

Ficar presa no elevador e justamente com a única pessoa no mundo que você não queria mais ver, se possível nunca mais, pode parecer um desastre, mas pra Juba não foi bem assim, pois quando ela finalmente conhece o Júpiter, tudo pareceu diferente.

“Júpiter tinha um jeito muito gostoso de falar, envolvente e suave, como ondas de um mar manso. Bem diferente de mim, por exemplo, que costumava cuspir as palavras desenfreadamente, até ficar sem ar. Fora isso, também dava pra perceber os sentimentos na sua voz. E essa era a razão principal de ser tão incrível ouvir sobre sua vida sem ao menos conhecê-lo; ele imprimia as emoções em cada palavra. Trazia verdade para cada uma delas. Eu acreditaria em tudo o que ele me dissesse. Tudinho. Estava fascinada.”

Júpiter, por sua vez, não vivia uma vida perfeita e só quando NÓS o conhecemos é que entendemos isso. Após o assassinato do seu pai, tudo o que ele conhecia como amor e família havia mudado, ele precisou tomar as rédeas da situação e guiar sua família para longe da destruição causada pela perda. Mas com isso, ele teve que passar por cima de si mesmo.

Eu fiquei muito empolgada com esse livro, em parte por nunca ter conhecido a autora e estar na vibe de conhecer coisas novas e em parte por ter me interessado pela história apenas com uma leitura rápida da sinopse e isso não acontecia há bastante tempo.

A escrita da Lola é apaixonante, ela simplesmente faz você sentir que os narradores de cada capítulo são amigos te contando uma história que aconteceu com eles e isso é maravilhoso! Eu fiquei tão apaixonada pelo Júpiter com apenas poucas páginas, que eu apenas suspirava a cada frase que vinha do personagem! Haha!

Gente, leiam esse livro!



Nenhum comentário:

Postar um comentário